A Palavra Livre de Mortágua
Segunda-feira, 28 de Junho de 2010
Até Amanhã, Camarada!

Fomos recentemente privados da presença desse génio maior da Literatura Portuguesa e Mundial que é o José Saramago.

Muito se disse, se diz e se dirá sobre o homem e o seu génio, sobre a sua obra, sobre o seu legado. Mas não é isso que me leva a escrever estas palavras. Sou, no entanto, certo que a sua obra é duma dimensão e conteúdos fabulosos.

Mas este escritor português, oriundo do Alentejo era e foi até ao fim um Comunista. Sobre isso alguns dos que tecem laudas às suas obras pouco ou nada versarão. Tentando dividir o indivisível. Pois se era o homem que escrevia era também o mesmo homem que era Comunista. Querer falar da obra de José Saramago sem querer admitir a sua visão duma sociedade diferente é a mesma coisa que dizer que se gosta de ovos e só lhe comer a clara. O núcleo, o coração, é que dá forma e sustento à "embalagem", da mesma forma que é a gema que suporta em seu torno a clara.

Não escrevia porque era Comunista, porque nem todos os Comunistas escrevem. Não ganhou o Nobel por ser Comunista, porque nem todos os Comunistas ganham. Mas se escrevia o escrevia e da forma que o escrevia isso sim era por ser Comunista. Tanto colocava a sua condição de Comunista à frente da de escritor que o disse, aquando da homenagem do Partido Comunista Português no Centro de Trabalho do Edifício Vitória após a atribuição do Prémio Nobel: «Há alguns anos atrás, quando o meu nome começou a aparecer, achei por bem deixar claro uma questão, escrita para não haver dúvidas: se a condição para ganhar o Prémio Nobel for renunciar às minhas condições políticas, eu renunciarei ao Prémio. Hoje posso dizer que para ganhar o Prémio não precisei de deixar de ser comunista.»

Mas não só ele se considerava Comunista, outros também assim o intitulavam, ainda que por escárnio, como podemos ver na opinião do L'Osservatore Romano (órgão central do Vaticano) após a atribuição do Nobel, justificando essa escolha como sendo política: «continua a ser um comunista inveterado». Esta atitude era substanciada pela forma acutilante como Saramago criticava alguns dos "valores" da Igreja. O Envagelho Segundo Jesus Cristo, O Memorial do Convento e por fim Caim são precisamente objectos dessa acutilância.

Mas não era contra a Fé dos Homens que escrevia Saramago, antes contra o preconceito e as injustiças da sociedade. Contra os oportunismos, que ataca e põe a nu quando, no Ensaio Sobre a Cegueira, reduz todo a população à igualdade da cegueira. Sendo todos cegos, todos iguais portanto, haverá os que se tentarão sempre aproveitar dos demais. Que se organizarão para tornar seu o que os outros trabalharam para ganhar.

Aos que julgam, e aos que dirão, que para o fim se vinha afastando já da ideologia Comunista mantendo-se militante do que era também o seu Partido só por uma questão de cortesia deixo uma passagem de Caim onde é criticada a estratificação da nossa sociedade: «Discreto, como a foragido convém, caim não se aproximou para lhe desejar as melhoras da sua saúde, afinal, este patrão e este empregado nem tinham chegado a conhecer-se, é o mau que tem a divisão em classes, cada um no seu lugar, se possível onde nasceu, assim não haverá nenhuma maneira de fazer amizades entre oriundos dos diversos mundos.». Ou ainda no mesmo livro, sobre a imagem duma sociedade patriarcal tão querida ao regime que ele ajudou a derrubar: «Estava surpreendida consigo mesma, com a liberdade com que tinha respondido ao marido, sem temor, sem ter de escolher as palavras, dizendo simplesmente o que, na sua opinião, o caso justificava. Era como se dentro de si habitasse uma outra mulher, com nula dependência do senhor ou de um esposo por ele designado (...)».

Mas esta condição de Comunista desagrada a muitos que não conseguem ver para além dos rótulos que colocaram nos outros. Desagrada ao Presidente da República, diria ao nosso Presidente, ao Presidente dos Portugueses, de Todos os Portugueses, mas parece que não é Presidente dos Portugueses Comunistas.

Preferiam que fosse só escritor, sem essa alma vermelha que o tinge: é bom, mas é Comunista.

Era Comunista, e era bom!

Até Amanhã, Camarada!


sinto-me:

publicado por Mário Lobo às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

No Comboio Descendente...

À Capela

Pendências e Modernices

A Liberdade de Escolher

Dos Partidos e a sua Demo...

Até Amanhã, Camarada!

Estórias do Maio

"Os Animais são Todos Igu...

25 de Abril Sempre!.. Sem...

As Portas que Abril Abriu

arquivos

Março 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Dezembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Setembro 2004

tags

todas as tags

links
Contador
Visitantes
Juiz de Fora
blogs SAPO
subscrever feeds