A Palavra Livre de Mortágua
Quarta-feira, 4 de Julho de 2007
A Pobreza do Concelho

Aleluias se têm dado ao eucalipto como grande salvador económico do Concelho, e mais recentemente do País. E muito orgulho devemos nós, mortaguenses, ter em tanto contribuir para o reequilíbrio da balança de transacções, com a quantidade de madeira que mandamos daqui para fora.

Mas em vez de grande vantagem económica, quando penso neste sector económico o que vem à memória é a exploração que os países do hemisfério norte levam a cabo em África e na América Latina. O que assistimos é a uma população a penhorar completamente todo o ecossistema em busca de um Eldorado que nunca existiu.

Senão, comecemos a enumerar as consequências desta exploração desenfreada:

1.       O «desnutrir» completo dos solos com uma produção intensiva e de ciclo rápido, agora agravado com a obrigação de remover dos terrenos toda a biomassa que de outra forma se converteria em húmus (isto é Ciências da Natureza do 6º Ano);

2.       O envenenamento que se verifica das linhas de água e do extracto aquífero com a utilização abusiva, desregrada e desadequada de adubos. Esta consequência pode ser visível na diminuição da vida nos nossos ribeiros e regatos e no cada vez maior número de nascentes impróprias para consumo;

3.       O destruir constante da rede de caminhos, laboriosamente mantidos num mínimo de condições pelos serviços autárquicos e usados para beneficio de alguns madeireiros sem que um tostão dispendam para que neles possam circular com máquinas florestais pesadas. A isto podemos somar a destruição constante e acelerada dos mais de 400Km de estradas municipais alcatroadas pelo peso das já referidas máquinas;

4.       O atulhar dos riachos com restos resultantes da acção do exploração florestal contribuindo ainda mais para a total destruição da fauna aquífera do nosso Concelho;

5.       E por fim o mais interessante. Verificar que há no organismo oficial de emprego português (IEFP) ofertas de trabalho para 56 horas semanais com uma remuneração de 500€ mensais. Ao consultarmos o contracto colectivo de trabalho para os trabalhadores florestais verificamos que nestas condições um trabalhador deveria auferir cerca de 1100 euros mensais. É dois pelo preço de um, melhor que no Continente.

Assim, e se a lei fosse cumprida, com a realização de estudos de impacto ambiental (como já referi antes) e com o cumprimento dos convenções laborais existentes, não acredito que este negócio fosse a grande salvação de Mortágua.

Assim vai sendo a salvação de meia dúzia de grandes proprietários e outros tantos patrões que mais não fazem que sugar os recursos naturais e explorar os trabalhadores.


música: FMI - José Mário Branco

publicado por Mário Lobo às 22:57
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

No Comboio Descendente...

À Capela

Pendências e Modernices

A Liberdade de Escolher

Dos Partidos e a sua Demo...

Até Amanhã, Camarada!

Estórias do Maio

"Os Animais são Todos Igu...

25 de Abril Sempre!.. Sem...

As Portas que Abril Abriu

arquivos

Março 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Dezembro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Setembro 2004

tags

todas as tags

links
Contador
Visitantes
Juiz de Fora
blogs SAPO
subscrever feeds